Cerca de 99% do cálcio está presente nos ossos e dentes, para cuja formação e manutenção é indispensável. Participa também na regulação das funções muscular e nervosa incluindo função importante na regulação da coagulação sanguínea. 
É necessário ao funcionamento dos nervos, na transmissão dos impulsos nervosos e funcionamento dos músculos, na contracção.

Principais fontes de cálcio:
A fonte mais importante de cálcio na nossa alimentação é o leite e seus derivados - queijo e iogurtes. Os legumes de folha verde escura (espinafres, brócolis, couves, salsa, agrião) são também boas fontes de cálcio, assim como os feijões secos.
Alguns frutos secos também contêm doses de cálcio importantes (amêndoas, castanhas, figos secos, passas de uva, nozes e amendoins).
A sardinha é uma fonte importante de cálcio, quando consumida com espinhas.


Manifestações de excesso:
As situações de excesso de cálcio no sangue são raras, mas podem acontecer se houver uma excessiva absorção de cálcio devida a um excesso de vitamina D (por excesso de suplementos desta). Em predisposição ao excesso de cálcio, potentializa 
sintomas como náuseas e principalmente a formação de cálculos renais.

Manifestações de carência
A carência de cálcio pode ser devida quer a uma ingestão insuficiente deste mineral, através dos alimentos, quer à falta de vitamina D, que é essencial à absorção do cálcio.

A ingestão adequada de cálcio durante a infância e adolescência é a forma mais eficaz de evitar, ou minimizar, a osteoporose na idade adulta. Esta situação é muito frequente em mulheres após a menopausa. Devido à falta de cálcio os ossos tornam-se frágeis, quebradiços e mais vulneráveis a fracturas.

A deficiência em cálcio, resultado de falta de vitamina D, provoca o raquitismo nas crianças, com os sintomas típicos de arqueamento das pernas e outras deformações do esqueleto, motivado pelo amolecimento dos ossos. Nos adultos, esta deficiência dá origem à osteomalácia que cursa com dores ósseas profundas.

Segundo o «Food and Nutrition Board» (National Research Council-National Academy of Sciences, 1989), a quantidade diária recomendada de cálcio:

Crianças: 800 mg;
Adolescentes e Jovens (dos11-24 anos): 1200 mg;
Adultos (» 25 anos): 800 mg;
Grávidas: 1200 mg;
Lactantes: 1200 mg.

Durante a gravidez, a mulher precisa aumentar a ingestão diária de cálcio, para não pôr em risco a saúde dos seus ossos e dentes. Os suplementos não são necessários, se seguir uma alimentação equilibrada.

Atenção: Nenhuma das informações prestadas neste artigo substituem uma visita ao médico.